Evite camisa de futebol, decote e roupa justa no trabalho; Veja 11 dicas

26/01/2015

Você é daqueles que se preocuparam com o jeito de se vestir para ir à empresa em que trabalha apenas na entrevista de emprego? Pois saiba que o modo como você se veste pode influenciar o futuro da sua carreira.

"O estilo pessoal ousado, mesmo em uma empresa mais liberal, pode chocar", afirma Magda de Paula, que treina profissionais para o mercado de trabalho no Instituto Brasileiro de Coaching. "Com o clássico, você não erra".

Essa também é a visão de Vanessa Barone, jornalista e consultora de imagem, autora do livro "Descomplique! - um Guia de Convivência e Elegância". Ela diz que a melhor opção para o ambiente de trabalho é sempre estar adequado aos colegas e à empresa.

"O profissional tem que preencher a ideia visual que aquele trabalho passa". Se é um vendedor no varejo, por exemplo, ela diz que tem que se vestir como tal, para passar confiança ao cliente.

Chamar atenção no ambiente profissional sempre é importante. Mas o melhor é que isso aconteça por causa da qualidade do trabalho, e não pelo modo como se apresenta.

Por isso, ser discreto é sempre o melhor. Evitar roupas sensuais ou acessórios que chamem muito a atenção. O mesmo vale para roupas de times de futebol.

O UOL reuniu essas e outras dicas das especialistas, que podem ajudar o profissional a evitar armadilhas na hora de se vestir para trabalhar.

 

Dicas para se vestir bem no ambiente de trabalho

 

Não imponha seu estilo

Vista-se de acordo com o figurino do seu ambiente de trabalho. "Deixe de lado o seu estilo pessoal. No caso da mulher, por exemplo, se ela for muito feminina e gostar de se arrumar, vai ter de ser mais séria. Até mais masculina", diz Vanessa Barone

Traje social sempre é a melhor opção

Os consultores são unânimes: não tem como errar com o clássico. "O estilo ousado pode chocar e passar uma ideia errada do profissional", afirma Magda de Paula. "A exceção, claro, são trabalhos que exigem roupa informal. Profissões com esforço físico, por exemplo" Foto: Divulgação

Não exagere no salto alto

Diferentemente do que muitas pensam, ficar mais alta não causa melhor impressão, diz Vanessa Barone. "Pelo contrário. Salto muito alto faz com que pareça que a pessoa não esteja no lugar que deveria. Guarde os saltos para outras ocasiões, como festas". O mesmo vale para acessórios, como brincos e colares, que devem ser médios ou pequenos Foto: Divulgação

Se for ousar, que seja nos detalhes

Se quiser demonstrar um pouco do seu estilo pessoal, faça em detalhes do figurino. "Uma caneta diferente ou um broche podem mostrar um diferencial, sem ser agressivo", diz Magda de Paula. Mas, ainda assim, discreto


Nunca use roupas sensuais

Não usar decotes e saias curtas, no caso das mulheres, e calças e camisetas justas, no dos homens ."Chame atenção por suas ideias, não pelo jeito de se vestir", diz Vanessa Barone

Fique atento ao contexto

Nem sempre se arrumar muito bem é a melhor opção. Magda de Paula afirma que hierarquia também é importante. "Se o supervisor é uma pessoa que não se arruma muito, isso pode gerar um mal-estar na relação de trabalho"

Nunca usar camisas de times

Roupas ligadas a futebol criam um ambiente competitivo na empresa e podem passar a impressão de que o profissional é exageradamente apaixonado, afirma Magda de Paula. Se quiser demonstrar seu amor pelo clube, opte por canetas ou chaveiros

     

Cuidado para não ser moderno demais

Nas empresas com códigos de vestimentas mais informais, como as de tecnologia ou agências de publicidade, mostrar que está ligado às novas tendências ao se arrumar pode ser bom. "Mesmo assim há limites", diz Vanessa Barone. "Se exagerar, pode parecer que o profissional saiu de um catálogo de moda, que está usando um estilo que não é seu"

Menos perfume

Muito perfume pode agredir os sentidos dos colegas. Vanessa explica que a regra é sempre dividir por um terço o que você costuma usar de perfume quando sai com amigos ou vai a uma festa Foto: Reprodução

     

Evitar mostrar tatuagens em entrevistas

No ambiente de trabalho, tatuagens são bem aceitas. Magda de Paula afirma que, mesmo em entrevistas, recrutadores não se preocupam com isso atualmente. "Mesmo assim, é melhor cobrir para aumentar as chances de ser aprovado"

Roupa tem que ter qualidade

Vanessa Barone afirma que, ao comprar roupas, o maior valor gasto tem que ser com as de trabalho. "É a roupa que você mais usa". Isso vale, inclusive, para os cuidados diários. "Sempre leia a etiqueta. Algumas não podem ser lavadas na máquina. Outras têm de ser levadas à uma lavanderia especializada, caso de ternos. Sempre calcule esses custos no seu orçamento mensal antes de comprar"

 

Fonte: Vanessa Barone, consultora de imagem, e Magda de Paula, do Instituto Brasileiro de Coaching