A INICIATIVA FAZ A DIFERENÇA

23/05/2012

A iniciativa faz a diferença

É a qualidade que distingue o funcionário notável do medíocre. A falta de iniciativa é um dos grandes obstáculos ao desenvolvimento profissional.
O funcionário que faz só o que lhe é exigido, se aproveita do trabalho alheio ou adota a lei do mínimo esforço, tem poucas chances de vencer na carreira.

A empresa não é instituição de caridade.

Hoje, mais que nunca, ela precisa superar seus limites continuamente para oferecer bons serviços a seus consumidores e jamais conseguirá isso com uma equipe sem iniciativa.
Para se sobressair no atual modelo econômico, a empresa necessita de pessoas realizadoras que:
- Façam o que precisa ser feito, mesmo sem ser solicitadas.
- Resolvam problemas em vez de criá-los ou transferi-los para os outros.
- Tenham a qualidade do seu trabalho como marca registrada.
- Corram risco e se dediquem como se fossem donas do negócio.
A iniciativa é a qualidade que diferencia um funcionário ativo, notável, com visão empreendedora, do medíocre. E, esse último, que geralmente espera ser carregado pelos outros, é muito mais comum nas organizações do que se imagina.
Conheço muitos deles e aposto que você também os reconhecem em seu meio. Essas pessoas estão equivocadas. A velha manobra “conforme o salário” não leva ninguém a lugar nenhum.

Às vezes, o preguiçoso ainda se acha esperto e pensa que seu colega, com iniciativa, é um idiota.

No entanto, o indivíduo que se dedica às suas tarefas o mínimo possível pode até obter benefícios provisórios, mas a longo prazo será o mais prejudicado. Esse princípio vale para todos: do office-boy ao superintendente.
Manter a iniciativa exige resolução e isso logicamente aumenta o risco de se cometer erros. Mas é melhor errar buscando melhorias para o trabalho, que fazer a mesma atividade, todos os dias, como se fosse uma máquina.
Além disso, quem tem iniciativa pode ser rejeitado pelos colegas. Isso porque, no geral, as pessoas nivelam a quantidade de seu trabalho por baixo e esperam que todos façam o mesmo para que a sua mediocridade não apareça.

Quem é realizador pode ser considerado, portanto, puxa-saco!

Para o consultor americano Bo Nelson, especialista em motivação, maior erro que um funcionário pode cometer é pensar que trabalha para alguém.
“Voce pode ter um chefe,  receber o pagamento de determinada empresa, mas você é o mestre de seu próprio destino. É você que decide que potencial alcançar em sua carreira, o que você irá realizar em sua vida.
Todos os dias você tem chance de exceder-se, de ser excepcional. Tudo isso vem da iniciativa”, diz.