Líder antes dos 30

20/01/2014

Jovens assumem posições de liderança dentro das organizações

Personalidade arrojada é uma das características valorizadas pelas empresas

Chegar a posições de liderança antes dos 30 anos está se tornando mais comum. Os novos líderes, fruto da geração Y, imprimem suas características não só em suas atividades, mas também no modelo organizacional de uma empresa. O cenário atual é fruto das habilidades dos novos profissionais e da situação demográfica brasileira.

Na análise de Carlos Contar, diretor regional da Business Partners Consulting, empresa especializada em recrutamento e seleção de executivos, a seleção de um líder passa por outros critérios, que vão além de tempo de carreira e de vínculo com a organização.

Em determinadas situações, a postura profissional, conduta e conhecimento de causa são mais importantes que propriamente a experiência no emprego.

— Isso explica por que muitos profissionais chegam antes aos cargos de liderança. Geralmente possuem personalidade arrojada e encaram muito bem desafios — diz Contar.

Porém, alcançar o cargo de liderança jovem não é o único desafio do profissional. Ele ressalta que ser aceito e respeitado pela equipe é fator primordial para o sucesso do novo líder.

— Você só segue aquele que confia. Para ter o resultado esperado, o profissional precisa conquistar a confiança — aconselha Contar.

A Softplan/Poligraph, empresa de sistemas de gestão situada em Florianópolis, conta com 1.592 colaboradores, sendo que 961 têm menos de 30 anos, o que representa 60% do total de funcionários. Um deles é Leandro Cunha, coordenador de desenvolvimento. Ele tem 28 anos e atua na empresa há apenas quatro meses. Cunha afirma que trabalhou como coordenador por três anos em uma empresa em Blumenau e então foi contratado pela Softplan.

— Comecei como analista e hoje coordeno uma equipe de 30 pessoas — diz.

Para ele, o mais difícil ao assumir um cargo de liderança é atender às expectativas de cada um. Para isso, um líder precisa ter algumas características essenciais.

— É necessário ter paciência, saber ouvir e ter atitude — avalia.