Levantamento analisa a presença feminina no mercado de trabalho.

09/04/2014

Levantamento analisa a presença feminina no mercado de trabalho.

Profissionais do sexo feminino ocupam 46% das vagas de suporte à gestão

 

Um estudo realizado pelo PageGroup, empresa que controla as consultorias Page Executive, Michael Page e Page Personnel, analisou a presença da mulher no mercado de trabalho no Brasil. Com base em 5 mil vagas fechadas pelas consultorias, o levantamento demonstra como está distribuída a presença feminina por diferentes setores da economia e níveis hierárquicos. A área de Recursos Humanos lidera entre os setores que contam com maior presença feminina, seguida pela área da saúde, varejo, mercado jurídico e logística.

Na alta direção, apenas 8% das posições preenchidas pela Page Executive, dos 300 processos conduzidos, foram para mulheres. Recursos Humanos é a área com maior número de mulheres neste nível hierárquico. Já os setores da economia que têm a maior presença feminina são Varejo e Consumo.

Além disso, a Michael Page registrou menor presença feminina nas contratações em 2013, sendo que 30% das vagas fechadas pela consultoria foram preenchidas por mulheres. Os segmentos de saúde e recursos humanos foram os que mais tiveram suas vagas preenchidas por mulheres, no ano passado, 67% e 66% respectivamente. “São dois setores que tradicionalmente contam com maior presença de mulheres. A disponibilidades de candidatas, inclusive, sempre foi muito maior do que candidatos”, explica Sergio Sabino, diretor de marketing do PageGroup para a América Latina, coordenador do estudo.

As mulheres ainda são maioria em outros dois setores: no varejo (62%) e no mercado jurídico (53%). De acordo com Sabino, muitas vagas abertas no varejo dão preferência a profissionais do sexo feminino. “Geralmente são posições que demandam gerenciamento de equipes gigantescas. E a sensibilidade feminina, aliada à sua capacidade motivacional e de engajamento são fundamentais e muito requisitadas pelas companhias”, explica.

Em alguns setores da economia, porém, a presença feminina em cargos de gestão ainda é baixa. É o caso do promissor mercado de Oil&Gas. Segmento que vem apesentando níveis atrativos de remuneração nos últimos anos conta com apenas 5% de mulheres em posição de comando. Em TI, a presença feminina em cargos de gestão também é baixa: 13%. “Talvez seja um reflexo histórico. A presença de mulheres em cursos voltados a estas áreas vem aumentando nos últimos anos, mas ainda não detectamos reflexo no topo da pirâmide, porém é algo que deve acontecer em 10 anos”, ressalta Sabino.

Mulheres ocupam 46% das vagas de suporte à gestão
Em 2013, das 2.500 contratações realizadas pela Page Personnel, consultoria especializada em profissionais de suporte à gestão com remuneração entre 3 mil e 8 mil reais, 46% foram preenchidas por mulheres.

“Isso se explica porque a ascensão da mulher no mercado de trabalho acontece gradualmente. Tivemos um aumento expressivo da participação feminina nas últimas três décadas, principalmente nos bancos das universidades, onde já é maioria. A chegada dela nos cargos de comando ainda é menor em comparação aos homens, mas na base da pirâmide já detectamos equivalência em quase todas as áreas”, justifica Sabino.

O estudo que em 2013 o setor de Recursos Humanos teve 72% das vagas complementadas por mulheres na Page Personnel. Em logística, 68% das oportunidades de trabalho foram ocupadas por elas e, em marketing, esse percentual alcançou 54%.

Como se qualificar?
Uma boa opção de formação para as profissionais que pretendem ingressar no mercado de trabalho são os cursos técnicos, pois formam profissionais proativos, com capacidade de resolução de problemas e de desenvolvimento de projetos.