O valor da sua atitude é o resultado que você vai alcançar.

11/08/2014

O valor da sua atitude é o resultado que você vai alcançar.

 

As empresas necessitam, cada vez mais, de profissionais ambiciosos, capacitados, produtivos e comprometidos, pois esses são os que geram resultados.

 

Muito se fala em plano de carreira, ascensão financeira, liderança, novas responsabilidades e desafios. A ambição é inerente ao ser humano, mesmo em diferentes níveis, sobretudo àquele que almeja altos patamares profissionais. E não há absolutamente nada de errado nisso. Porém, para alcançar objetivos, não basta ter ambição. É preciso ter o desejo e saber como chegar lá, traçando metas. Por isso, é importante perguntar-se: estou utilizando todas as minhas habilidades para alcançar o sucesso?

As empresas necessitam, cada vez mais, de profissionais ambiciosos, capacitados, produtivos e comprometidos, pois esses são os que geram resultados. Portanto, investir em conhecimento acadêmico é de total importância, mas não garante sua permanência, tão pouco um futuro promissor numa organização. As atitudes também não servem de fiança de permanência na empresa, mas são as principais responsáveis pelo declínio ou progresso da sua imagem.

Respeito, cordialidade, gentileza, segurança e complacência são princípios fundamentais para estruturar qualquer reputação e fazem a diferença em qualquer área de atuação. Porém, condutas negativas prejudicam até os indivíduos mais competentes e são ações, muitas vezes enraizadas em profissionais mais velhos ou com mais tempo de casa, imperceptíveis e que afetam, de forma permanente, a carreira de tantas pessoas.

Entre os comportamentos mais indesejados no mundo corporativo estão:

Arrogância: geralmente revelados por indivíduos que recusam qualquer crítica ou contribuição de terceiros, prejudicando o trabalho e a produtividade em grupo. Tendem a não compartilhar conhecimento e o convencimento exacerbado os afasta de qualquer interação com colegas de trabalho.

Conformismo: pessoas que temem novas oportunidades, permanecem em suas zonas de conforto e ignoram possibilidades para desenvolver novas habilidades. Além de empobrecer o currículo e afastar promoções, podem ser vistas como profissionais medianos e passam a não ser solicitado para atender novas demandas ou desafios.

Desorganização: indivíduos que não priorizam serviços e ações, não entregam suas atividades nos prazos estipulados. São profissionais que geram perda de tempo e afetam na produtividade e resultados, tanto para si quanto para times e empresa.

Emotividade: pessoas temperamentais quase nunca são promovidas a líderes, suas emoções complicam na tomada de decisões, principalmente em ambientes que exigem equilíbrio, imparcialidade e objetivo.

Fofoca: além da distorção de fatos, os boatos afetam a credibilidade profissional de qualquer pessoa, afastando a confiança dos colegas de trabalho e de gestores que passarão a não confiar tarefas a quem espalha informações pela empresa.

Impulsividade: além de demonstrar a falta de controle sobre qualquer deliberação ou atitude, reagir sem pensar nas consequências aumenta a chance de se envolver em situações arriscadas e viver, constantemente, com o sentimento de culpa.

Intolerância: pessoas intransigentes desaprovam qualquer atitude que não esteja de acordo com os seus ideais, sua inflexibilidade interfere nas relações interpessoais e, em sua grande maioria, são isoladas e afastadas de qualquer tipo de equipe.

Perfeccionismo: confundem a qualidade da entrega de serviço na interminável busca pela excelência, atrasando o cumprimento de tarefas e obrigações.

Teimosia: profissionais que contestam toda e qualquer determinação de colegas e superiores, acabam provocando ambientes desconfortáveis e indisposição entre a equipe.

Timidez: o excesso de acanhamento, a insegurança em expor opiniões ou defender as próprias ideias distanciam pessoas e novas oportunidades.
São comportamentos que desfavorecem qualquer indivíduo e, na maioria das vezes, eles não reconhecem suas próprias limitações para modificá-las. Para isso, existe o coaching. Um processo que identifica e aprimora, por meio de ferramentas e técnicas cientificamente validadas, os desafios e barreiras que impendem o crescimento profissional de pessoas e quais as melhores ações para direcioná-las ao sucesso, aprimorando suas ações e relações. O coaching trabalha atitudes limitantes e potencializa habilidades, auxiliando no desenvolvimento e na formação de profissionais altamente engajados, comprometidos, eficientes e que, principalmente, promovem resultados.